Vanderlei Lopes apresenta "Arena", na Galeria Athena, em Botafogo

A Galeria Athena apresenta a exposição "Arena", de Vanderlei Lopes, com cerca de 30 trabalhos inéditos, feitos em bronze, que ocuparão todo o espaço expositivo da galeria. Produzidas este ano, as obras da mostra se unem em torno da questão do tempo e da construção cultural.

As peças são feitas a partir de moldes dos objetos originais, o que as torna muito próximas ao real, não parecendo, em um primeiro olhar, serem em bronze. Em muitas delas, há a questão do movimento, como se o tempo tivesse sido congelado durante a ação.


"Factualidade e ficção, pensamento e ação, colidem-se nesse constante processo. Aqui, perpetuados em bronze, situações cotidianas e transitórias surgem como esculturas, monumentos que desejam discutir tais fenômenos", conta Vanderlei Lopes.

Um grande tronco de árvore cortada, fundida em bronze, com cerca de 3,6 metros de diâmetro por 1,25m de altura, com uma arena vazia em seu topo, estará na sala menor da galeria, que mede 50m². A arena foi construída a partir das linhas circuncêntricas da madeira, que podem ser vistas em um corte, por meio dos quais é possível calcular a idade da árvore.


A arena é um local de acontecimentos por princípio, um lugar de espetáculos desde os tempos mais antigos, mas neste trabalho ela aparece vazia. "Construída escalonada, faz eco aos movimentos circuncêntricos do crescimento da árvore e sobrepõe ao tempo natural de seu crescimento o tempo cultural, aludido pela arena. De outro lado, o trabalho relaciona o corte à construção cultural, ao acontecimento civilizatório. O teatro vazio, alusão ao palco social onde se desenrolam os acontecimentos, a atuação cotidiana", afirma Vanderlei Lopes.

No salão maior estarão cerca de 20 esculturas em bronze, simulando as primeiras páginas de jornais, que estarão espalhadas pelo chão, com noticias relacionadas à construção cultural. "Trata-se de jornais fixados em bronze – esses elementos cotidianos que de tão transitórios, passam a ser passado no dia mesmo em que foram impressos, aqui, convertidos ao estatuto de monumento", conta o artista.


Os jornais trazem imagens de explosões, objetos ou situações cotidianas incendiadas que colidem com frases de origens diversas, apropriadas ou transformadas, manifestos e fragmentos reflexivos, escritos por figuras emblemáticas e constitutivas de uma elite cultural.


Nos jornais criados pelo artista há imagens de diversos incêndios, como o recente que atingiu o Museu Nacional e outros mais antigos, como o do MAM, no Rio de Janeiro, e do Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo, além de imagens de disputas de poder e de território, como a Bomba de Hiroshima e o ataque às Torres Gêmeas, no dia 11 de setembro de 2001.


"Os jornais têm a fixação do tempo, e esses trazem imagens de transformações. Uma espécie de tragédia perpassa os jornais espalhados pelo chão, que intenta friccionar um repertório de matriz construtiva a outro, de cunho mais trágico", ressalta o artista, que data os jornais de acordo com a data de produção das obras.


A exposição pode ser visitada até 26 de janeiro. A Galeria Athena fica na Rua Estácio Coimbra 50, em Botafogo.


Fotos: divulgação