S.O.S. por Benki!

Neste texto, aproveito para relatar a difícil situação em que o líder Ashaninka Benki Pyiako se encontra, para vir ao conhecimento de outros, e chamar atenção para a corrupção que assola o país.


Apos transcrever o artigo referente a esse triste fato, e a conclusão do advogado de Benki, mencionarei o link em que se pede assinaturas contra a sentence de prisão que querem dar ao líder Ashaninka.


“Após conflitos na cidade de Marechal Thaumaturgo A/C, em abril 2015, Benki Pyiako, liderança Ashaninka da comunidade indigena do Alto Juruá, Acre, fez denúncia `a polícia para relatar os riscos de violencia que estava sofrendo, em razão de sua atuação como ativista ambiental, internacionalmente premiado e reconhecido, e liderança da comunidade Ashaninka do rio Amônia.


Os responsáveis pela investigação do caso foram até a sede do município e, após considerar apenas as alegaçōes dos acusados, decidiram arquivar a denúncia e indiciar Benki, pedindo a abertura de ação penal contra o próprio indígena, pelo crime de denunciação caluniosa.


O ministério Público estadual do Acre aceitou o indiciamento e propos ação penal contra Benki Piyako e, agora, a liderança Ashaninka pode ser condenada `a pena de até oito anos de prisão. O processo tramita na primeira vara criminal da comarca de Cruzeiro do Sul/AC, está em fase de alegaçōes finais para defesa e acusação e será julgado em breve. O advogado responsável pela defesa de Benki é Antonio Rodrigo Machado, também atuante na defesa do Povo Ashaninka e em outras causas contra madeireiros.


Nas palavras do advogado, “Benki Piyako procurou o Estado brasileiro para receber proteção das forças policiais e, em sentido oposto, está sentado no banco dos réus, acusado de um crime que não cometeu. Ao ser escolhido pela seletividade do sistema criminal brasileiro, não é apenas a liberdade de Benki que está em risco, mas sim o proprio respeito desse país aos povos da floresta e toda sua cultura”.


https://secure.avaaz.org/po/petition/Ministério _Publico_do_ Estado_ do_ Acre_ e_ 1a_ Vara_ Criminal_ de_ Cruzeiro_ do_ Sul_ Benki_ Piako_ pode ser condenado_criminalmente/? cPQRRmb


Eu aqui adiciono estar em risco, além de Benki, e do respeito que o Brasil deve aos povos da floresta e toda a sua cultura, como disse o advogado Antonio Rodrigo, o respeito mais geral a algo que se chama ética, da qual o Brasil cada vez mais mostra carecer, mesmo que sem ela não se possa sobreviver, pois, em terra de corruptos, todos, eventualmente, se destruirão.


Adiciono, também, que o atentado a Benki mais certamente vem “de cima”, uma vez que ele é pessoa influente no cenário ecológico mundial, tendo ganho o premio de sustentabilidade “Equatorial Prize” em Nova York em 2017, e tendo estado recentemente com o papa, no Perú. Em outras palavras, Benki tem influencia na causa de preservação da floresta, causa esta que nada interessa aos poderosos do apocalypse, como estes que formam a bancada ruralista e que têm o país, ou a maioria deste, sob o seu suborno. Claro que é mais fácil atribuir o conflito a problemas locais com madeireiros, mas será que simples madeireiros poderiam, na verdade, subornar a polícia e as autoridades para que promovam o que é clara e obviamente mentira? Pelo amor de Deus! Seria o mesmo dizer que Marielle Franco foi “acidentalmente” assassinada…


Será que um dia o Brasil se libertará da corja de corruptos no poder; do cinismo, pouco caso, e pouca vergonha, que o domina?


Estou agora em Barcelona, onde me familiarizei melhor que da outra vez, com a religiosidade de Gaudí, sua veneração `a natureza e sua inspiração com a criação primeira, na qual ele claramente via a mão de Deus. Humilde, declarava somente “copiar” a obra divina, mas sua criatividade arquitetônica e plástica é de tal beleza, misticismo, e liberdade, que não admira a Sagrada Familia (sua obra prima) ser um lugar de pelegrinação mundial, onde fieis e agnósticos podem apreciar a comunhão das formas traduzidas da natureza, com a devoção ao Criador, e com o cristianismo.


Se o mundo fizesse jus aos feitos arquitetônicos de Gaudí, as pessoas reverenciariam a criação natural, não somente por motivos ecológicos derivados do interesse em sua própria sobrevivência, mas pelo que a transcende: o sentido de respeito pela sagrada obra de Deus, e por tudo que é vida. Fiquei pensando que, pudesse o Arquiteto de Deus, como intitularam Gaudí, ver a profanação atual dessa mesma obra divina, por motivos sempre mesquinhamente utilitários ou financeiros, ele se transformaria num ativista, e se tornaria alvo do imediatismo ganancioso daqueles que, burros, cegos, ou desgraçadamente egoístas, pouco se importam com o que existe além do ganho próprio, num mundo que tornam apocalíptico.


Espero que os leitores deste texto, admiradores ou não da genialidade, misticismo, e devoção de Gaudí, percebam que Benki se encontra ameaçado injustamente, por defender o que o Arquiteto de Deus claramente percebeu ser sagrado, e que todos nós, com um mínimo de bom senso, devemos respeitar. Vamos aprender com aqueles que nos são superiores, ao invés de se nivelar por baixo, como até então se tem feito.