Relíquias de Padre Cícero em exposição no Sesc Tijuca

O Sesc Tijuca abre nesta quarta-feira, dia 22, às 16h, a exposição “Meio Ambiente e Religiosidade”, que tem como destaques pertences de Padre Cícero (1844-1934), o líder religioso nascido em Crato, Ceará, que teve enorme influência social e política no sertão cearense e em todo o Nordeste. Engajado defensor da causa ambiental, esteve à frente do seu tempo ao disseminar, ainda no século 19, princípios da preservação dos recursos naturais, hoje reconhecidos.


Entre as peças, estão cartas, documentos pessoais, utensílios domésticos, roupas e móveis. Os itens foram adquiridos pelo jornalista e curador da mostra, Marcelo Fraga, da professora e historiadora Fátima Meneses, herdeira dos pertences do religioso. A lista inclui título de eleitor, caderneta de anotações sobre bens que comprava e/ou revendia, atestado de óbito da mãe, bilhete da época da Revolução Cearense (1914) e um contra-cartão de boas festas. Há também cartas redigidas por Padre Cícero e tendo ele como destinatário.


O público poderá ver de perto toalha, guardanapos e lenços usados no banquete dos 90 anos de Padre Cícero, assim como punhais de cangaceiros e balas de rifles da revolução de 1914, petisqueira e talheres de prata, criado-mudo da sua casa, furador de papéis, máquina de costura e ferro de passar roupa do seu centro social. Móveis, como um baú, uma chapeleira e um genuflexório (móvel para rezar), também estão entre as relíquias, assim como utensílios e trajes para celebrações religiosas.


A ambientação da exposição leva o visitante a uma viagem pela Juazeiro do Norte do século XIX. Tem reproduções dos aposentos do padre no Casarão do Horto; de um altar nordestino, espaço de residências dedicado à devoção religiosa; da Capela de Nossa Senhora das Dores, local de pregação de Padre Cícero e onde veio a fundar o município; e de um Arco com Fitas, que simboliza o arco-íris, que por sua vez representa a fidelidade e o perdão de Deus e sua reconciliação com os fiéis.

A abertura da exposição no Sesc Tijuca terá uma programação paralela, que envolve exibição de filme e apresentação e oficina de dança. Às 14h, começa a sessão de “O Bem Amado”, de Guel Arraes. Adaptação da novela de Dias Gomes para o cinema, o filme é protagonizado por Odorico Paraguaçu (Marco Nanini), prefeito da cidade de Sucupira, que tem como objetivo a inauguração de um cemitério municipal. Às 16h, haverá apresentações de danças tradicionais do Nordeste e vivência das possibilidades dessas danças com o público presente.

A exposição “Meio Ambiente e Religiosidade” fica em exibição no Sesc Tijuca até o dia 2 de novembro, seguindo para o Sesc Campos, no Norte do estado, dando lugar, no Sesc Tijuca, a uma exposição sobre o universo do artesanato e folclore nordestino. A atividade compõem o projeto “O Nordeste é Aqui no Sesc RJ”, que tem por objetivo preservar as tradições nordestinas e refletir sobre sua importância para o Rio de Janeiro e o restante do País.

Além de exposições, a iniciativa terá ainda uma programação com cursos, oficinas, debates, shows e outras atividades alusivas à cultura nordestina. A agenda completa, que se estende até dezembro, pode ser consultada em www.nordesteaquisescrj.com.br.

O Sesc Tijuca fica na rua Barão de Mesquita 539. Visitação de terça à sexta-feira (das 7h às 21h) e sábados, domingos e feriados (das 9h30 às 17h30).

Fotos: Nelson Peres