"Conta-gotas", de Iran do Espírito Santo, busca instigar o pensamento

"Este trabalho revisita uma imagem usada por mim anteriormente em esculturas sólidas de aço e pedra. No caso dessa gravação a laser em cristal ótico, utilizo uma técnica normalmente aplicada à confecção de souvenirs, de forma a retornar a uma concepção topográfica de uma imagem 3D, fixada no núcleo de um paralelepípedo de cristal. Assim é definida, ponto a ponto, a superfície do objeto ausente, rememorando inequivocadamente o conta-gotas. A imagem fantasmagórica desse utilitário, tão aderido à nossa memória afetiva, instiga o pensamento, a partir de um objeto singelo, sobre forma e conteúdo, seja de materiais e substâncias, seja da própria sintaxe da representação", explica Iran do Espírito Santo.


Iran do Espírito Santo (Mococa, SP, 1963 | Vive e trabalha em São Paulo) graduou-se em artes plásticas pela Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) em 1986. Seu trabalho consiste em desenhos, pinturas murais, instalações e esculturas. Sua obra opera na lacuna entre forma e conteúdo (entre materialização e ideia), com a criação de espaços e objetos virtuais que antecipam sua artificialidade apenas no momento em que o observador se prende a compreendê-los, construindo armadilhas para o olhar e para a percepção.


Nesse processo, trocadilhos de tamanho, diminuídos ou aumentados, de perspectiva e de materialidade conduzem os trabalhos para efeitos sensoriais e visuais enganosos, o que desde o início foi obsessivamente assunto de sua poética. Iran relaciona um trabalho de pensamento complexo e minucioso com a banalidade de espaços e objetos familiares que são motivo para os seus truques ópticos.


O artista participou da Bienal de Veneza (48ª e 52ª edições), Bienal Internacional de São Paulo (19ª e 28ª edições), 6ª Bienal de Istambul, Present Tense: Nine Artists in the Nineties no San Francisco Museum of Modern Art, e Troposphere no Beijing Minsheng Art Museum.

Realizou exposições individuais no Museo Nazionale delle Arti del XXI Secolo (Roma, Itália), na Pinacoteca do Estado de São Paulo (São Paulo, Brasil) e no Irish Museum of Modern Art (Dublin, Irlanda). Em 2013, exibiu uma obra comissionada pelo Public Art Fund no Central Park em Nova York, EUA.

Está presente em coleções de instituições como Instituto Inhotim, Brumadinho, Brasil; Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (MASP), São Paulo, Brasil; Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM-SP), São Paulo, Brasil; Pinacoteca do Estado de São Paulo, São Paulo, Brasil; Fundación Museo Reina Sofía, Madri, Espanha; Henry Moore Institute, Leeds, Inglaterra; Irish Museum of Modern Art (IMMA), Dublin, Irlanda; Museo de Arte Latinoamericano de Buenos Aires (Malba), Buenos Aires, Argentina; Museo Nazionale delle Arti del XXI Secolo (MAXXI), Roma, Itália; Museu d'Art Contemporani de Barcelona (MACBA), Barcelona, Espanha; Museum of Modern Art (MoMA), Nova York, EUA; San Francisco Museum of Modern Art (SFMOMA), São Francisco, EUA; Solomon R. Guggenheim Museum, Nova York, EUA; Thyssen-Bornemisza Contemporary Art Foundation (TBA21), Viena, Áustria, entre outras.


Iran do Espirito Santo é representado, em São Paulo, pela Galeria Fortes D'Aloia & Gabriel.