"Madrugada no Centro" tem atrações que vão do samba ao soul

A edição de fevereiro do "Madrugada no Centro", no próximo sábado, dia 16, terá um pré-carnaval com a festa LUV e participações especiais de Fernanda Abreu e Rincón Sapiência + DJ Saddam; show de Junú com o Bloco da Terreirada Cearence convidando Marina Íris; e uma apresentação especial da Bateria da Mangueira.

Com a curadoria de Daniela Paita, o Madrugada conquistou um público fiel, apostando na pluralidade musical, nos encontros de novos e consagrados artistas, sempre com uma temática por noite. E é meio a essa mistura de estilos que a edição pré-carnaval acontece:

Nicole Nandes. Foto: Rogério Krranca

Dj, produtora cultural e criadora da festa LUV, Nicole Nandes joga nas 11 quando o assunto é noite e respira black music, hip hop, samba rap, R&B, funk e soul. Com sua Festa LUV, apresentou aos cariocas um novo estilo de experimentar a black music, levando à cabine DJs, produtores e artistas para apresentações ao vivo, seja no improviso ou em pocket shows. Em parceria com o DJ Saddam, Nicole e a LUV preparam uma celebração ao samba-rock e carnaval em sets especiais para o projeto Madrugada no Centro.

Junú e o Bloco da Terreirada Cearense. Foto: Luciola Villela

O Bloco Terreirada Cearense, idealizado pelo cantor e compositor cearense Junú, leva ao carnaval de rua do Rio de Janeiro o que há de mais representativo da cultura nordestina, ao apresentar a música de um outro Brasil, do sertão, com poesia, dança e performance em pernas de pau. Além de ritmos como forró, coco, xaxado, baião, xote, boi bumbá, maracatu e frevo, o bloco, realizado ao lado de Thais Bezerra e Igor Conde (Oficina de percussão), Raquel Potí (Ala de Pernas de Pau), e Sofia Kern (Oficina de Canto), também traz as composições do cantor Junú e músicas de grupos de cultura popular tradicional, especialmente da região do Cariri, no Ceará.

A cantora Marina Iris. Foto: Pedro Curi

Cantora e compositora da nova geração da MPB e do samba, Marina Iris encarna o dinamismo, a diversidade e a intensidade das ruas. É a bagagem que a cantora traz do samba, aliada a uma verdadeira entrega a outros ritmos e encontros. Além do repertório do álbum Rueira, lançado em março pela Biscoito Fino, Marina apresenta músicas consagradas que dizem sobre a vivência das ruas, a luta feminina e a luta negra.

Fernanda Abreu. Foto: Gui Paganini

"Suingue, balanço, funk", anuncia a cantora carioca Fernanda Abreu, que é uma das precursoras da música pop brasileira e foi pioneira ao unir o samba ao funk, marcas registradas da cidade. Suas apresentações cheias de charme espalham amor geral e liberdade por meio da música e da dança, e transformam qualquer festa com sucessos como Rio 40º, Kátia Flavia e a recente Tambor.

Rincón Sapiência. Foto: Andreh Santos

O rapper Rincón Sapiência é destaque na atual cena musical brasileira e agora se prepara para uma participação especial em uma noite carnavalesca cheia de suingue e samba. Com a originalidade de suas composições, marcadas por influências das músicas africana, eletrônica, jamaicana e vertentes do rock, o artista traduz em versos inteligentes as experiências vividas nas ruas da periferia paulistana. Sua poesia aborda questões raciais e sociais no contexto da metrópole, reveladas pelo seu rap com clima de positividade, sem prejuízo à postura crítica do discurso.

O dj Saddam.

Com 22 anos de experiência, DJ Saddam é uma referência da Black Music, especialmente dentro do hip-hop. Por mais de quatro anos produziu a festa Back II Black, em que aconteciam shows e batalhas de MCs. Hoje promove o "Baile do Saddam", é fundador do Opalão76 Hip-Hop Crew e produz o projeto Vitrolaço, que leva a discotecagem em vinil para espaços públicos da cidade. Radialista desde 1988, há 10 anos tem um programa dedicado à Black Music na Rádio Transamérica do Rio.

Bateria da Mangueira. Foto: Leo Queiroz

Todo mundo te conhece ao longe, pelo som do seu tamborim e o rufar de seu tambor... A bateria da Mangueira é imortalizada pela batida do surdo sem resposta. A batida forte, que marca e pulsa. Para o Madrugada, serão nove ritmistas, um diretor de bateria, um cavaco e um cantor para apresentar os clássicos da Estação Primeira e o samba de 2019: "Brasil, meu dengo a Mangueira chegou..'


O Centro Cultural Banco do Brasil fica na Rua Primeiro de Março 66, no Centro.


Fotos: divulgação