Séries de Luiz Hermano têm lançamento pela Carbono Galeria

A Carbono Galeria promove o lançamento das edições "Aurora e Ocaso", de Luiz Hermano. As séries carregam a ideia do artista de desafiar a geometria dando-lhe movimento. Esse tipo de trabalho originou-se de sua série cubos movediços, em que a geometria é articulada, possibilitando infinitas formas de montagem.

A escolha das cores foram baseadas nos próprios nomes das peças. A Aurora tem tons do amanhecer e o Ocaso, do anoitecer.

Luiz Hermano (Preaoca (CE), 1954 | Vive e trabalha em São Paulo), no início da carreira, produz desenhos e gravuras, em que a linearidade é fundamental, e apresenta cenas de inspiração surreal, que derivam do imaginário das gravuras populares e da literatura de cordel. Tanto em sua obra gráfica quanto nas pinturas, estão presentes também memórias de infância e um certo aspecto lúdico. Posteriormente, passa a produzir objetos e esculturas em materiais filiformes, em que explora possibilidades formais relacionadas à produção artesanal de utensílios de seu estado natal, o Ceará, como os trançados, em que utiliza alumínio, cobre, aço inoxidável ou bronze.

Luiz Hermano realizou sua primeira exposição, Desenhos, em 1979, no MASP. A poética do início da carreira, construída no interior de um universo fantástico, em diálogo com outros nomes da arte brasileira, como Marcello Grassmann, foi dando vez a trabalhos tridimensionais, que tiveram destaque na 21ª Bienal de São Paulo, em 1991, quando Hermano ganhou uma sala especial.

O universo popular é uma de suas grandes referências, por meio da apropriação de miudezas diversas, como brinquedos de plástico e outros objetos que encontramos presentes em séries e peças como Redes de cubos (1999), Balão (1997) e Figura (1998).

Em 2008, realizou a exposição Templo do Corpo, na Pinacoteca do Estado de São Paulo, onde o artista criou peças híbridas, construídas com materiais descartados pela sociedade de consumo, como arames e plásticos, teve influência das civilizações antigas, cultura que o artista conheceu em viagens.

Também em 2008 publicou o livro: Luiz Hermano. Possui trabalhos monumentais em diversos espaços públicos: em São Paulo, nos jardins do MAC-USP, Cidade Universitária; no metrô Estação República e nos jardins do MAM-SP. Em Recife, Pernambuco, a obra Mandacaru, medindo 7 metros, encontra-se exposta no Museu Cais do Sertão. Em 2018 realizou em São Paulo, no Sesc Santo Amaro, a instalação Trapézios que é origem do álbum XI Teoremas.


Luiz Hermano é representado em São Paulo pela Lume Galeria.


A Carbono Galeria fica na rua Joaquim Antunes 59, no Jardim Paulistano.


Fotos: divulgação

Fale conosco