Espiritualidade Agressiva



Chris, meu filho, se saiu com as palavras que dão titulo a este blog, para definir a atitude de muitas pessoas em Boulder, esta cidade idílica no vale ao pé das Montanhas Rochosas, abrigando milhões de pessoas que se acham, se não iluminadas, no caminho da iluminação.

“Pra qualquer reunião, ou bate-papo, esse tipo de gente vem prefaciar o evento com mil termos absurdos, tipo: Vamos consagrar o espaço… vamos lembrar que somos todos conectados com a criação original, vamos isso e aquilo”, disse Chris, e concluiu, “ Eles vem pra gente com uma espiritualidade agressiva!”

Achei a expressão perfeita. Parece que espiritualidade virou criterio de diferença entre quem ta por dentro e quem não esta, como uma moda. Conhecemos pessoas que participam de círculos (supostamente espirituais) de maconha, de respiração, de peyote, de meditação “transpessoal”, circulos de honrar o sagrado feminino, circulos de tudo que se pode imaginar, e se não menciono rituais de Ayahuasca entre eles, é por não querer jogar o sacramento da floresta no mesmo saco que, “multi-místico”, lembra os pacotes “combo” do Mac Donald’s, que contem batata frita, Coca-Cola (tamanho grande, claro) sanduiche de tres camadas, bacon, ketchup, etc.

Nem de propósito, quando estivemos na Califórnia nos feriados de Natal e Ano Novo, encontramos, na casa que nos foi alugada, milhōes de exemplares de um livro de ensinamentos espirituais, entulhados nas prateleiras da garagem. Vendo o nome da autora, Chris, que alugou a casa pra nós, viu se tratar da dona do apartamento. Peguei um dos volumes pra dar uma olhada, mesmo que a capa, com figuras de eixos geometricos naquele tom roxo de luz de danceteria, contra um fundo negro, também de nightclub, tenha me parecido feia em si, e ainda pior, relacionando-se ao título pomposo do texto, que misturava termos científicos e espirituais, num mumble jumble esquizofrenico. Pra dar uma ideia geral do projeto, a autora definiu graça religiosa da seguinte maneira:

“Graça é o girar dos campos de torção que formam a matéria, a realidade, e a experiencia”!!! (Entenda isso e depois me conta se vc parou no hospício ou, em total indignação, na polícia)

Pra completer a idéia geral do livro da proprietária, informo que nas credenciais do cara que escreveu o prefacio, foi mencionado o titulo do livro que ele próprio escreveu, e que em ingles transmite melhor a pretensão de transformar a esfera religiosa em ciencia (Física) : “The Physics of Miracle”.

Mesmo assim, li passagens aqui e ali, do livro que prefaciou, e logo o devolvi`a poeira da prateleira.

Até então, eu tinha achado aquela casa, que tão bem encarava o mar, perfeita. A divisão do espaço interno transmitia paz. Podia se ver diretamente o por do sol no oceano, de cada uma de suas salas comunicantes, como também da varanda a que davam acesso. Podiamos estar todos juntos naquela área sem nos sentir um em cima do outro, repartindo o mar, o céu e o sol, enquanto faziamos coisas diferentes. Me dei conta de como é bom poder ter pessoas que amamos simplesmente respirando sob o mesmo teto que nós, independente de qualquer comunicação verbal. Nós quatro, sem muito papo, mas com muito amor. Pensei que quem morava ali devia ter uma cuca boa. Mas depois que vi aquele livro, no minimo escrito ali,

fiquei me perguntando como um visual tao esplendoroso se deixara ser mero pano de fundo pra tanta ambição. Pano de fundo pra espiritualidade “de metralhadora em punho”…

Nem a paz da linha do horizonte, nem a divindade da vista ininterrupta do mar levou alguém pré- meditado baixar as armas.

“Mas isso é California, isso é Estados Unidos, after all,” pensei. As armas americanas nunca são baixadas. Em relação `a espiritualidade, elas se chamam “ciencia”, pois, diante da liberdade do espirito, a ciencia, por outro lado, é algo que se pode controlar. Algo que tem regras a se aprender, obedecer, e fazer acontecer.

Na terra do controle remoto, se deve tentar fazer a espiritualidade acontecer, eventualmente apertando-se um simples botão. Mas pra virar passe tecnológico, ela tem que ser primeiro transformada em ciencia, algo sem mistério pois que explicavel, algo que pode ser ensinado, tout simplement.

Obviamente, o livro da proprietária continha promessas veladas de sucesso financeiro. Quem quer controlar, certamente quer dinheiro. Só acho que quem tem saco pra tentar aprender a controlar o mundo espiritual nunca será capaz de baixar as armas, e bem merece o engôdo daquele livro.