Cultura no combate ao coronavírus até na proteção de artistas visuais

Artistas visuais, sejam pintores, escultores ou ilustradores, têm um risco notavelmente baixo de contrair a Covid-19, de acordo com dados compilados pelo New York Times. A pesquisa considera duas variáveis: o grau de proximidade física com colegas de profissão e com que frequência as diferentes profissões expõem os trabalhadores ao contato com o novo coronavírus. O fato é que a arte é considerada a segunda carreira mais segura, com uma pontuação de proximidade física de nove e uma exposição à doença de zero. Isso o coloca atrás apenas dos madeireiros, que pontuam um na exposição e sete na proximidade, e logo à frente dos autores e escritores, que estão em zero na exposição, mas 14 na proximidade.

O artista visual Rudi Sgarbi, em seu ateliê na cidade de Niterói.

Os curadores, por outro lado, estão agrupados solidamente na metade inferior do grupo, classificando cinco em exposição e 44 em proximidade (a quantidade de viagens exigida pelo trabalho provavelmente não ajuda.) Enquanto isso, os conservadores do museu marcam zero em doenças, mas 55 em proximidade (presumivelmente porque eles não podem fazer seu trabalho em casa). Os designers gráficos têm um risco comparativamente menor: eles pontuam zero em termos de exposição e 34 em quão próximos estão tipicamente das outras pessoas. Aqueles com maior risco de contrair a doença, como se poderia esperar, são profissionais de saúde, incluindo enfermeiros (eles classificam 80 para exposição, 77 para proximidade) e paramédicos (89 para exposição, 97 para proximidade). Para compilar o gráfico, que pode ser pesquisado por profissão, o New York Times usou a base de dados O*NET , que rastreia os atributos físicos de diferentes trabalhos, como, por exemplo, a frequência com que um telefone é usado e a frequência com que uma profissão exige que o trabalhador abaixe-se. Embora a falta de risco para os artistas seja certamente animadora para quem trabalha no mundo da arte, é provável que a indústria ainda seja afetada economicamente pela disseminação global da doença. Com museus e galerias sendo encerrados no futuro próximo, muitos trabalhadores ficam sem emprego. E artistas – que, como outros trabalhadores freelancers, geralmente não têm seguro de saúde ou licença médica paga – certamente sofrerão um impacto com shows cancelados e shows de palestras, bem como com a falta de atividades de compra.