Cascas de banana

Bruno Thys

Chama a atenção como, em muitas discussões importantes, a mídia embarca na agenda do país, mas raramente pelo viés da sociedade: segue a pauta de interesses do mundo político. O debate da hora, por exemplo, é sobre os tais R$ 3,8 bilhões do Fundo Partidário, dinheiro público, que será destinado à campanha municipal do ano que vem.

Há um sem número de notícias todos os dias sobre os bilhões em questão, contemplando posições até acirradas sobre se tal montante é ou não suficiente, se parte do valor será ceifado da saúde ou da educação, etc. A discussão, no entanto, passa ao largo do cidadão: as notícias são repercutidas intramuros com os líderes do Congresso, com os caciques da política, relatores e por aí vai. Quem paga a conta não é ouvido; no máximo sondado em enquetes, via institutos de pesquisa. Não há, até aqui, nada sobre como serão controlados os gastos, assim como também não se vê matérias esclarecedoras na linha “partidos políticos S/A”, pautas que, de fato, interessariam ou seriam úteis à sociedade. Aliás, o funcionamento de um partido político merecia ser tratado eventualmente pelas editorias de economia. Por definição, são instituições sem fins lucrativos, mas por deformação, não. Além do quê, é direito do cidadão ser informado sobre o destino dos recursos públicos, que não brotaram do cofre: é extraído do suor de cada um de nós. Raramente se lê algo sobre a estrutura de um partido político, receitas, despesas, head-count, etc., etc. Eu e a esfuziante torcida do Flamengo não temos a menor ideia de quanto custa, de fato, uma campanha sem caixa 2, qual o montante necessário para eleger um vereador, um prefeito, quantos concorrem e quantas cadeiras há no país? São temas, estes sim, de uma agenda mais do cidadão do que do político. Partido virou negócio: há mais de 3 dúzias que proliferam lastreados em cláusulas de barreira extremamente brandas. Deve ser um ótimo negócio “fundar” um partido no Brasil. Tornou-se até popular a expressão “legendas de aluguel”, que vêm ao mundo para negociar tempo de TV e fazer alguns outros escambos. É um termo revelador do balcão de negócios que movimenta a engrenagem política no país. Com toda a certeza, não há uma ação coletiva ou deliberada dos meios de comunicação em optar por um lado do debate. Mas não há dúvida de que a mídia é usada para turvar as discussões sobre questões como essa, de interesse público. Se o conteúdo jornalístico se restringe a montantes, tanto melhor para os donos do jogo. Quanto mais se discutir o total a ser gasto, menos a população saberá sobre o destino do dinheiro. O que há, creio, é uma miopia dos meios misturada a um olhar viciado da cobertura política. O bordão “mais Brasil e menos Brasília“ tem tantos pais quanto órfãos. É uma bela frase de efeito que, infelizmente, não encontra respaldo na realidade. Ainda assim, demonstra o incômodo dos próprios jornalistas com o excesso de informações emanada de Brasília, de pouca relevância para a vida do cidadão. É um jornalismo que funciona mais na base do automático e que dá margem a críticas de que a cobertura “do paí é oficialesca ou chapa-branca. Nossa atividade é descendente direta da curiosidade, da dúvida, do inconformismo e da indignação. São atitudes e posturas mais do que suficientes para evitarmos as cascas de banana postas no nosso caminho e fazer a nossa parte que é cumprir a pauta do cidadão.

Posts recentes

Ver tudo

Dúvidas de um dia de pandemia

Por Bruno Thys —-Se a lava-jato for anulada, notórios e confessos ladrões de dinheiro público como Sérgio Cabral serão soltos. Ok. E vão reaver o que devolveram ao Estado? —-O ministro que substituirá

NOS TEMPOS DA PANDEMIA

Por Bruno Thys - A gripezinha de Bolsonaro chega a 100 mil mortes. O que seria pra ele uma gripe forte ou uma pneumonia? - Além da ivermectina, da azitromicina, da cânfora, Volnei Morastoni, prefeito

DÚVIDAS DA QUARENTENA

Por Bruno Thys Em momentos de ócio forçado sobra tempo pra mente passear meio sem rumo e se surpreender. Exemplos: ---Por que apresentadora do tempo na TV tem que ser alta e magra ---Por que político,

Fale conosco